28 de novembro de 2017

Até Que a Culpa Nos Separe - Liane Moriarty


Amigas de infância, Erika e Clementine não poderiam ser mais diferentes. Erika é obsessivo-compulsiva. Ela e o marido são contadores e não têm filhos. Já a completamente desorganizada Clementine é violoncelista, casada e mãe de duas adoráveis meninas. Certo dia, as duas famílias são inesperadamente convidadas para um churrasco de domingo na casa dos vizinhos de Erika, que são ricos e extravagantes.

Durante o que deveria ser uma tarde comum, com bebidas, comidas e uma animada conversa, um acontecimento assustador vai afetar profundamente a vida de todos, forçando-os a examinar de perto suas escolhas - não daquele dia, mas da vida inteira.

Em Até Que a Culpa Nos Separe, Liane Moriarty mostra como a culpa é capaz de expor as fragilidades que existem mesmo nos relacionamentos estáveis, como as palavras podem ser mais poderosas que as ações e como dificilmente percebemos, antes que seja tarde demais, que nossa vida comum era, na realidade, extraordinária.

RESENHA:
28/11/2017

Liane Moriarty se tornou uma das minhas autoras queridinhas depois que li Pequenas Grandes Mentiras e logo em seguida O segredo do Meu marido que foram leituras que devorei em pouco tempo.
Suas tramas têm sempre um mistério, um foco central e ela nunca se resume à apenas um ou dois personagens mas sim vários, abordando e muito o lado psicológico deles. A gente fica por dentro dos pensamentos mais secretos de cada um e não somente aqueles que são revelados durante a estória.

Aqui vamos conhecer 3 casais que estarão reunidos para um churrasco e nesse dia irá acontecer um incidente que irá mudar o comportamento deles. Cada um com sua parcela de culpa irá se isolar dos demais e daí a estória vai se desenvolver, alternando entre o passado, o dia do acontecimento e os dias após o ocorrido.
Eu imaginei mil coisas e apesar de ter certeza de quem estaria envolvido no "incidente", não consegui formar uma cena nem imaginar o que poderia ter acontecido.
No entanto, eu havia imaginado algo muito mais chocante. Algo bem mais sério e trágico e talvez por ter criado muitas expectativas devido às outras experiências com a autora, essa estória não me empolgou.
A narrativa dos dias seguintes também não contribuíram para instigar minha curiosidade.
Fiquei muito interessada na vida de Harry, um outro personagem não tão importante à princípio.

Eu particularmente adoro a escrita dela, a maneira como ela conduz a estória e os dramas pessoais, porém nesse livro o excesso de narrativa me cansou e isso não contribuiu para uma leitura mais prazerosa. 
Não teve altos e baixos, foi uma leitura que seguiu o mesmo ritmo do começo ao fim.
Demorei mais tempo que o normal para concluir a leitura, pois a autora segurou esse mistério até onde não poder mais e na hora nem foi tão surpreendente assim.
O final deixou a desejar, algumas questões ficaram por isso mesmo e o que mais me irritou foi um fato importante que um dos personagens manteve em segredo mas que deveria ter sido compartilhado.
Pode ser que quem não tenha lido nada da Liane antes se surpreenda com esse. Do contrário a comparação é inevitável.
Ainda assim, é uma boa leitura. Liane Moriarty tem um estilo próprio de escrita e com certeza continuarei lendo seus livros.
Nota 3,5 ★

Nenhum comentário:

Postar um comentário