17 outubro 2017

O Voo da Libélula - Michel Bussi


Na noite de 23 de dezembro de 1980, um avião cai na fronteira entre a França e a Suíça, deixando apenas uma sobrevivente: uma bebê de 3 meses. Porém, havia duas meninas no voo, e cria-se o embate entre duas famílias, uma rica e uma pobre, pelo reconhecimento da paternidade.

Numa época em que não existiam exames de DNA, o julgamento estende-se por muito tempo, mobilizando todo o país. Seria a menina Lyse-Rose ou Émilie? Mesmo após o veredicto do tribunal, ainda pairam muitas dúvidas sobre o caso, e uma das famílias resolve contratar Crédule Grand-Duc, um detetive particular, para descobrir a verdade.

Dezoito anos depois, destroçado pelo fracasso e no limite entre a loucura e a lucidez, Grand-Duc envia o diário das investigações para a sobrevivente Lylie e decide tirar a própria vida. No momento em que vai puxar o gatilho, o detetive descobre um segredo que muda tudo. Porém, antes que possa revelar a solução do caso, ele é assassinado.

Após ler o diário, Lylie fica transtornada e desaparece, deixando o caderno com seu irmão, que precisará usar toda a sua inteligência para resolver um mistério cheio de camadas e reviravoltas.

Em O voo da libélula, o leitor é guiado pela escrita do detetive enquanto acompanha a angustiada busca de uma garota por sua identidade.

RESENHA:
17/10/2017

Michel Bussi tem se tornado um dos queridinhos justamente por criar tramas criativas e finais surpreendentes. Assim como Ninfeias Negras, O Voo da Libélula foi uma excelente e agradável leitura.
A estória se desenrola com mais lentidão - ainda menos que Ninfeias - mas nem por isso cansativa. 
O autor cria toda uma expectativa durante a leitura. Ele enrola o leitor, coloca pistas, revela algumas surpresas, mas deixa tudo pro final.
Pulando o blá blá blá inicial, - que você pode ler na própria sinopse do livro - aqui teremos Mark como o protagonista principal. Ele vai receber através de Lylie (que seria Lyse ou Emilie) o diário do investigador que trabalhou por 18 anos para uma das famílias, e será através da narrativa dele que saberemos os resultados da investigação.

Lylie vai sumir sem deixar rastros deixando Mark desesperado. Então ele sai à procura dela e entre um trem e outro começa a ler as anotações do detetive e se inteirar de tudo, aflito para saber o que foi que ela descobriu na leitura que a fez querer sumir. A cada descoberta, muitas situações irão mudar e algumas revelações levarão o leitor a imaginar um outro desfecho.
A partir da segunda metade do livro, o ritmo da narrativa acelera e a ansiedade pela descoberta faz com que devoremos o livro. 
Ainda que a trama não seja sobre "quem matou quem"e sim sobre quem é família da criança, vai acontecer alguns crimes durante a estória, deixando tudo ainda mais instigante.
A descoberta final do detetive foi o que mais me deixou ansiosa no livro. Eu queria logo chegar ao final pra saber o que foi que ele viu nos últimos momentos. 
É uma leitura que brinca com a sua imaginação.

Os personagens são rasos, o autor não se aprofunda muito, bem como no relacionamento entre eles. Achei bem superficial. 
Gostei de Mark da mesma maneira que desgostei de Malvina, uma personagem dura de aturar.
O relacionamento de Mark com Lylie me incomodou um pouco, algumas situações foram difíceis de compreender.
Quanto à qual família a garota pertence, depois da metade do livro não foi difícil prever aquele desfecho e já o tinha como certo, porém as outras surpresas que autor reservou para o final foram mesmo surpreendentes.
Eu gostei muito da leitura, é um livro com um tema diferente que manteve o suspense até as últimas páginas, ainda que tenha se arrastado por um tempo.

Nota: 4,5 ★

05 outubro 2017

Como Agarrar Uma Herdeira - Julia Quinn - Agentes da Coroa #1



Quando Caroline Trent é sequestrada por engano por Blake Ravenscroft, não faz o menor esforço para se libertar das garras do agente perigosamente sedutor. Afinal, está mesmo querendo escapar do casamento forçado com um homem que só se interessa pela fortuna que ela herdou.
Blake a confundiu com a famosa espiã espanhola Carlotta De Leon, e Caroline não vai se preocupar em esclarecer nada até completar 21 anos, dali a seis semanas, quando passará a controlar a própria herança milionária. Enquanto isso, é muito mais conveniente ficar escondida ao lado desse sequestrador misterioso.
A missão de Blake era levar “Carlotta” à justiça, e não se apaixonar por ela. Depois de anos de intriga e espionagem a serviço da Coroa, o coração dele ficou frio e insensível, mas essa prisioneira se prova uma verdadeira tentação, que o desarma completamente.


RESENHA:
05/10/2017

Caroline ficou orfã muito cedo e desde então passou por uma sequência de tutores nada agradáveis até chegar na casa de Oliver Prewitt, que por sua vez está obcecado pela herança da moça e apela ao extremo quando exige que seu filho a pegue à força para que tenham que se casar.
Caroline muito valente, se defende das investidas do rapaz e foge, porém é sequestrada pelo bonitão Blake Ravenscroft que a confunde com uma espiã procurada.
Blake é um agente da coroa e trabalha no departamento de guerra. É um homem muito amargurado por ter perdido a noiva que foi assassinada quando também estava à serviço da coroa.
Agora ele pretende prender Carlotta como última missão, se aposentar de vez e abandonar a vida secreta e cheia de riscos.

Quando Blake amordaça Caroline e a leva pra sua casa, sua intenção é fazer a moça entregar seus comparsas, acontece que ela que não é nada boba e não quer de jeito nenhum voltar pra casa do seu tutor, então deixa o bonitão pensando que ela é mesmo a espiã. Ela chega ao extremo de forçar a própria garganta para ficar sem voz só para não ter que falar. 
Como o único que conhece a verdadeira Carlotta é seu amigo James, ele vai ser enganado por algum tempinho até que o amigo chegue.

Ahh a estória começou muito bem, mas depois que tudo foi esclarecido tive a impressão de ter caído em outro livro. Até o cenário mudou na minha imaginação.
O casal não me empolgou. Discutem o tempo todo e acredito que o intuito é deixar o livro leve, porém os diálogos me cansaram. Nem as cenas românticas salvaram, foram superficiais e forçadas.
Caroline é muito inteligente e positiva mas é bem infantil, do tipo que bate o pé, mostra a língua e faz beicinho.
Blake é um homem oras, um agente! Mas ao lado dela tinha o mesmo comportamento infantil, batendo boca com ela toda hora, sem o menor senso de humor e fazendo tipo "não mereço ser amado".
Infelizmente nem os personagens secundários ajudaram, exceto pelo amigo James (do segundo livro) que foi um alívio no meio das picuinhas dos protagonistas.
Fora outras situações que me irritaram e achei sem pé nem cabeça:
- Empregados que deixam os patrões passando fome.
- A pessoa ter que ficar trancada dias num banheiro sendo que eles estão numa mansão. Como assim? Nenhum cômodo sobrando?
Eu adoro um romance clichê, acho um frescor principalmente quando se sai de um livro pesado, mas aqui não teve nenhuma novidade. Ter que inventar mil mentiras para evitar uma explicação mais simples, somente para criar uma trama engraçada não funcionou para mim.

Mas nem tudo é ruim, calma! A parte da espionagem foi o que salvou o livro, principalmente quando tem a participação do James. Já falei que gosto do James? kkkkk
O livro é bem leve, dá pra ler rapidinho pois tem muitos diálogos e pouquíssima narrativa.
Não vou dizer que me decepcionou por que não estava esperando muito dele. 
Mas recomendo essa leitura para quem quer algo leve e despretensioso, com uma escrita bem humorada e cheia de clichês, tipo mocinhos que se recusam a se apaixonar novamente.
Mas oras, como sempre faço parte da minoria então já sabem, provavelmente você vai gostar :-)
Vou ler o segundo sim ou com certeza?
Nota: 3,5

30 setembro 2017

A Mansão Hollow - Agatha Christie



Um inofensivo convite para almoçar na Mansão Hollow logo se transforma em mais um caso a ser desvendado por Hercule Poirot. A cena do crime parece um tanto artificial - o corpo de um homem agonizando na beira da piscina, sua mulher logo ao lado segurando um revólver, e ainda três testemunhas. Seria na verdade uma encenação, uma brincadeira de mau gosto para provocar o detetive? Infelizmente, para a vítima, não. Indo contra todas as evidências, Poirot não demora a descobrir que a arma que aquela mulher tinha nas mãos não era a mesma que matou seu marido. O que aconteceu, então?

RESENHA:
30/09/2017

Finalizando as leituras do mês e a maratona Setembro Policial com esse livro da Dama.
Essa foi uma leitura mais arrastada que o previsto, não empolgou e o desfecho não surpreendeu.

Poirot juntamente com outras pessoas, é convidado para um almoço na mansão Hollow. Acontece que quando ele chega já dá de cara com um assassinato, que no primeiro momento ele pensa ser uma brincadeira de mal gosto.
Ao mesmo tempo, outras pessoas chegam na cena do crime, vindo de direções diferentes. Todos ali são possíveis suspeitos e Poirot vai ter muito, mas muito trabalho para desvendar esse crime.

O detetive aparece pouco e sendo ele o astro, fez muita falta na estória.
Apesar das descrições emocionais dos personagens serem se extrema importância para a trama, acabei perdendo um pouco do interesse por causa da demora em chegar a parte investigativa.
Sinto em dizer que os personagens me cansaram, principalmente a anfitriã, Lady Angkatell. Mulher faladeira demais, praticamente tudo que saía da boca dela eram frases sem sentidos, me perdia nas divagações dela e pra mim não acrescentou nada à trama.
A estória vai focar mais no lado humano de cada personagem, seus comportamentos e problemas, quase não sobrando espaço para investigação. Sobrou "romance" e faltou o "policial". 
Senti falta daqueles momentos em que o Poirot tem uma ideia e a deixa suspensa no ar para que o leitor embarque na imaginação e force as células cinzentas para tentar entender as pistas. 
Se a intenção da autora era focar mais o lado humano, posso dizer que ela conseguiu.

Ainda que não tenha me surpreendido, Agatha é Agatha né, por isso vale a leitura. 
Vou dar nota 3,5 por que já li outros dela bem melhores que esse.

27 setembro 2017

Sombras de Um Crime - Val McDermid




A psicóloga Fiona Cameron dedicou a vida a capturar criminosos para impedir que outras pessoas morressem de forma tão brutal quanto Lesley, sua irmã caçula que fora estuprada e assassinada. Contudo, jurou jamais trabalhar para a Scotland Yard novamente, uma vez que agiram contra seus conselhos e, como resultado, destruíram uma investigação.
No entanto, ao descobrir que há um assassino à solta liquidando escritores da mesma forma como as vítimas são mortas nos livros, ela não consegue deixar de suspeitar que seu namorado, o premiado autor de suspense Kit Martin, seja um alvo em potencial, e decide investigar.


RESENHA:
27/09/2017

Aplausos para Val Mcdermid! Que escritora fantástica!
Como ela consegue te prender em 500 páginas sem ficar cansativo, acho que nunca vou saber.

Fiona Cameron é psicóloga especializada em conexão criminal e perfis geográficos, ou seja, à grosso modo ela consegue dizer à polícia qual região mais provável do assassino morar baseado em seu modo de agir.
Sua irmã mais nova faleceu após ser brutalmente violentada e nunca pegaram seu assassino. Em consequência disso, ela escolheu essa profissão para tentar evitar que outras mulheres passem pela mesma tragédia.
Ela é casada com o famoso escritor de suspense Kit Martin e seu melhor amigo Steven é inspetor da Scotland Yard. 
Steven amarga um caso de estupro e morte que deu errado. O principal suspeito foi liberado por falta de provas e o verdadeiro assassino ainda circula pelas ruas. Enquanto ele não tem nenhuma pista do real assassino, vai contar com a ajuda da amiga psicóloga para que ela dê uma luz sobre o caso.
Enquanto isso, um outro serial killer surge. Ele mata escritores de suspense recriando exatamente a cena do livro do próprio autor.
Certa de que Kit é uma das próximas vítimas, Fiona vai ter que usar de todo seu conhecimento para evitar que seu marido morra e assim ela entra numa corrida contra o tempo.

O livro é incrível!
Os personagens são ricos e bem compostos e as cenas são tão bem descritas que parecem reais.
A autora escreve com maestria, consegue te arrastar para dentro da trama com muita facilidade e em pouco tempo você se vê completamente envolvido pela estória.
Sem "mimimi", sem encheção de linguiça. As descrições são na medida exata: nada que canse mas que te deixa bem a par do que está acontecendo.
À princípio você precisa de uma atenção extra na leitura pois é onde os personagens começam a aparecer e você ainda está se familiarizando com eles, mas depois tudo flui com mais rapidez.
Os capítulos são curtos, alternando entre os personagens e as escritas do assassino. O final me deixou muito apreensiva, a ponto de ficar com os pés gelados rsrs
Sem furos ou falhas, o livro todo foi excelente!

Finalizo o "Setembro Policial com esse livro maravilhoso! Super recomendo!

14 setembro 2017

Agatha Christie from my Heart - Tito Prates



Primeira biografia da Rainha do Crime escrita originalmente em português, autorizada para publicação pelo neto de Agatha Christie, Mathew Prichard.
O livro busca revelar uma Agatha Christie verdadeira e desmistificar autores que utilizam fofocas sobre ela e sua vida para vender livros. É resultado de um trabalho de pesquisa de mais de 30 anos, sendo os últimos 5 em documentos particulares na Inglaterra. O livro traz uma inédita linha do tempo do trabalho da escritora no mundo, incluindo Livros, contos, teatro, cinema, séries de TV, games e outros. Também traz a linha do tempo brasileira.
RESENHA:
14/09/2017

Hoje, dia 14 de setembro - meu aniversário - finalizo a leitura sobre a vida da minha autora favorita, um dia antes de seu aniversário (Agatha Christie 15/09/1890)

Se você é fã de Agatha Christie como eu ou tem interesse em conhecer um pouco da vida desta maravilhosa escritora você precisa ler essa biografia do Tito Prates.
Aqui o autor desmente todos os boatos acerca da vida da autora, fala sobre sua infância, sua adolescência, seus medos e perdas, como surgiram as ideias para os seus livros, sobre seu primeiro marido e seu segundo casamento com um dos maiores arqueólogos de todos os tempos e a sua importante participação e contribuição para a história da arqueologia.
Todos os fatos relatados são verdadeiros, trabalho de anos de pesquisa, baseados em documentos, cartas e encontros com o próprio neto da autora, Mathew Prichard.
Assim que termina a leitura, você sente uma necessidade absurda de ler todos os livros dela novamente e em ordem cronológica, sabendo-se agora quais foram as inspirações de Agatha quando eles foram escritos. Principalmente àqueles com referências dos lugares, agora sob uma nova visão.
Conheci um pouco da Agatha Miller, da Agatha Christie, da Agatha Mallowan. A mãe, a escritora, a esposa, a sonhadora e muitas outras facetas que até então eu desconhecia.
No final do livro ainda temos uma lista completa dos livros dela em ordem de publicação, edições, também todas as adaptações para a TV até então.

Tito coloca alguns trechos escritos pela própria Agatha em sua autobiografia, que serve para conhecermos um pouco mais dela como ser humano.
Não é um livro para se guardar na estante e sim para mantê lo à cabeceira e consultá-lo sempre, sobre adaptações de cinema e TV e por que não, quando for ler alguma obra dela.
Terminei o livro com lágrima nos olhos, fiquei emocionada com a narrativa sobre sua morte e feliz em saber mais sobre ela.
Obrigada Tito Prates por nos presentear com essa obra tão recheada de conhecimento, você colocou muito amor e dedicação em cada capítulo e isso nota-se nas primeiras páginas.
Desejo todo sucesso à você, meu amigo!!
Recomendo à todos essa biografia de verdades ♥

11 setembro 2017

Escuridão Total Sem Estrelas - Stephen King


Na ausência da luz, o mundo assume formas sombrias, distorcidas, tenebrosas. Em Escuridão total sem estrelas os crimes parecem inevitáveis; as punições, insuportáveis; as cumplicidades, misteriosas. 
Em 1922, o agricultor Wilfred e o filho, Hank, precisam decidir do que é mais fácil abrir mão: das terras da família ou da esposa e mãe. No conto Gigante do volante, após ser estuprada por um estranho e deixada à beira da morte, Tess, uma autora de livros de mistério, elabora uma vingança que vai deixá-la cara a cara com um lado desconhecido de si mesma. Já em Extensão justa, Dave Streeter tem um câncer terminal e faz um pacto com um estranho vendedor. Mas será que para salvar a própria vida vale a pena destruir a de outra pessoa? E, em Um bom casamento, uma caixa na garagem pode dizer mais a Darcy Anderson sobre seu marido do que os vinte anos que eles passaram juntos.
Os personagens dos quatro contos de Stephen King passam por momentos de escuridão total, quando não existe nada — bom senso, piedade, justiça ou estrelas — para guiá-los. Suas histórias representam o modo como lidamos com o mundo e como o mundo lida conosco. São narrativas fortes e, cada uma a seu modo, profundamente chocantes.
RESENHA:
11/09/2017

Quatro contos de suspense misturados com terror psicológico que vão tirar o sono de qualquer leitor.
1922 conta a estória de Wilfred que, conduzido pela ganância, vai planejar se livrar da esposa que possui a maior parte das terras da fazenda. Ela deseja vendê-la e se mudar para a cidade, mas o marido não compartilha do mesmo sonho. 
Se somente a parte dela for vendida, os futuros compradores irão instalar um matadouro de porcos que irá poluir todo o lago da fazenda que faz parte das terras da esposa e isso é inaceitável para Wil.
Ele vai convencer o filho de apenas 14 anos que a melhor maneira de se livrarem dos problemas é eliminando a mãe.
Eu fiquei chocada com a essa estória! 
Extremamente bem escrita e descrita, à partir do momento que você começa a ler não consegue mais parar e fica aquela ansiedade de saber como tudo aquilo vai terminar.
O nível de maldade aqui é bem alto, mas o autor consegue te deixar preso na estória como se ele estivesse sentado na sua frente te contando em detalhes o que aconteceu. Fiquei completamente envolvida pela narrativa.
Apesar de ser o conto mais chocante, foi o melhor dos quatro na minha opinião, ainda que todos sejam muito bons.
(Esse conto está sendo produzido pela Netflix e vai virar filme.)

O Gigante do volante é o segundo conto, igualmente tenso e apesar de ser um pouco menos intenso que o primeiro, ainda assim é chocante. 
Vai tratar de um outro tipo de maldade, do ser humano guiado pelas suas vontades acima de qualquer coisa, tomando aquilo que deseja à força, incapaz de sentir o menor pingo de piedade ou remorso. 
Esse conto se trata de vingança. A escritora Tess é brutalmente estuprada quando volta pra casa após um encontro com os fãs de seus livros.
Decidida à não procurar a polícia por vários motivos, entre eles vergonha e medo do julgamento das pessoas, ela decide descobrir a identidade de seu agressor e fazer justiça com as próprias mãos.
Apesar das dores físicas e emocionais, Tess vai se preparar para esse encontro, vai abandonar seu medo e ir até o final na sua vingança. 
Eu me peguei torcendo demais por ela e fiquei muito apreensiva com o final que ela teria na estória, independente se ela teria êxito ou não.
(Esse conto virou filme (Big Driver - 2014). Assisti e gostei bastante, achei bem fiel ao livro.)

Extensão justa foi o que menos gostei. Esse conto trata-se da inveja, pura e simples e o que a pessoa é capaz de fazer para ter o que deseja.
Dave tem câncer em fase terminal e ao pegar a estrada num dia qualquer, encontra um vendedor um tanto peculiar. Ele vende 'extensões', realiza desejos a troco de dinheiro e algo a mais: Se ele curar a doença de Dave a mesma deve passar para outra pessoa, afinal é o equilíbrio da vida, porém Dave deve escolher quem irá receber o desagradável 'presente'.
Ele a princípio não acredita em nada daquilo, mas como não tem mais nada a perder, entra no jogo do estranho homem e com o passar dos dias ele realmente começa a levar a sério.
De piedade passei a sentir raiva do personagem. Sua falta de piedade ou remorso é intragável.
O final deixou a desejar pra mim, mas ainda assim vale a leitura.

E por fim, Um bom casamento vai nos contar a estória de um casal já beirando os 50 anos que vive uma vida aparentemente perfeita. Até que um dia a esposa entra na garagem à procura de pilhas e encontra uma caixinha que pertence ao marido.
O que ela vai encontrar dentro dessa caixa e como ela vai se comportar à partir desse momento vai deixar o leitor completamente envolvido até o seu desfecho final.
(Também virou filme (A Good Marriage - 2014), outro que também gostei e recomendo)


O livro mostra o pior do ser humano, o lado mais sombrio, mais vingativo, mais mesquinho. Inveja, ódio, ganância e vingança são alguns dos sentimentos abordados nesses contos, com uma narrativa tensa, mas rápida e absolutamente viciante.
Stephen King prende o leitor do início ao fim, com apenas uma pausa para respirar entre um conto e outro.
E no final o autor fala sobre a escrita e de onde surgiram as ideias para escrever essas estórias.

Recomendo! Prepare-se para ficar apreensivo e angustiado. 

06 setembro 2017

Cipreste Triste - Agatha Christie



A dona de uma mansão no interior da Inglaterra morre durante o sono, depois de padecer de uma longa doença. Enquanto a família ainda se recupera do golpe, uma jovem aparece morta nas redondezas. Quando a bela Elinor é incriminada mediante provas aparentemente irrefutáveis, Hercule Poirot é a única pessoa que pode provar sua inocência. Para chegar à verdade dos fatos, ele terá de travar um embate sem igual na justiça inglesa.
Este é o primeiro romance de tribunal protagonizado pelo mais famoso personagem da Rainha do crime.
Publicado em 1940, Cipreste triste foi escrito em plena Segunda Guerra Mundial, um período de intensa produção na carreira de Agatha Christie, que se tornaria um dos nomes mais célebres do século XX em matéria de histórias de tribunal imortalizadas no cinema.

RESENHA:
06/09/2017


Geralmente acerto o culpado nos livros da Agatha apesar de quase sempre errar o por quê, mas nesse livro fui completamente enganada! E isso foi um dos motivos pra ter entrado na minha lista de favoritos :-)

A estória é ótima, prendeu minha atenção do início ao fim!
Começa no tribunal com o julgamento de Elinor e logo em seguida começa a narrativa de como tudo aconteceu.
Elinor e Roderick são noivos e se conhecem desde crianças, pois ela é sobrinha de Laura Welman e ele sobrinho do marido dela, já falecido.
Os dois resolvem visitar a tia pois sua saúde já se encontra muito frágil e alguns dias depois ela vem a falecer.
Os prováveis herdeiros seriam os dois, mas há também a filha da caseira, Mary, que foi criada desde bebê ali na mansão e que talvez poderia herdar algo.
Porém, após a morte da tia, algumas coisas começam a mudar, principalmente o noivado dos dois.
Quando a segunda pessoa morre, as circunstâncias do crime apontam a sobrinha Elinor e todas as provas a incriminam.
Porém, um jovem apaixonado vai intervir à favor dela e pede socorro à Poirot que aceita investigar mesmo que seja para provar a culpa da moça.
Enquanto investiga, Poirot descobre alguns segredos e muitas mentiras que à princípio vão confundi-lo mas com o tempo e umas perguntas a mais, ele verá a verdade.

"As mentiras revelam tanto quanto as verdades para quem escuta. Às vezes revela até mais"

Eu tinha dois prováveis suspeitos, tinha certeza que era um ou o outro mas quebrei a cara bonito rsrs
Mesmo faltando poucas páginas para acabar, ainda tinha muitas dúvidas e nenhuma certeza.
O final se dá no tribunal com o júri dando o veredito, mas é sempre aquela explicação do Poirot de como tudo aconteceu que é o ápice da estória.

Eu recomendo sim, Agatha Christie merece todas as honras e títulos por que ela é genial!