18 abril 2018

A Maldição do Espelho - Agatha Christie


O que viu Marina Gregg, a famosa atriz cinematográfica, um pouco antes de um assassinato ser cometido em sua casa? Quem – ou o que – fez sua expressão mudar de modo tão violento, a ponto de um observador lembrar-se de Alfred Tennyson! "Fora voava a teia e flutuava à distância;
O espelho partiu-se lado a lado;
– a maldição caiu sobre mim –, gritou a senhora de Shalott".
Alguns minutos mais tarde um corpo jazia morto na mansão de Marina – pela segunda vez vítima de um assassinato premeditado tinha sido ali descoberta.
Nesse romance de Agatha Christie, Miss Maple, cuja casa em St. Mary Mead é perto do cenário do crime, descobre a oportunidade perfeita para saborear um tipo especial de mistério a que está acostumada.
Os milhões de admiradores de Agatha Christie gostarão de tentar se antecipar a Miss Maple, assim como gostarão do humor e caracterização dessa história engenhosa e fascinante.

RESENHA:
18/04/2018

A pacata vila de St. Mary Mead agora já não é mais a mesma. Novos moradores chegando devido ao desenvolvimento, entre eles a famosa atriz de cinema Marina Gregg.
Agora proprietária da mansão Gossington Hall, uma vez palco de "Um corpo na biblioteca", Marina abre as portas de sua casa para alguns moradores apreciar as novas mudanças.
Durante a visitação, uma das convidadas morre após ingerir um drink que seria de Marina e apesar das dezenas de suspeitos ali presentes, aparentemente nenhum teria oportunidade de colocar algo na bebida sem que fosse visto pelos outros.
Miss Marple vai ajudar o amigo, detetive Craddock, à investigar o mistério e descobrir quem teria motivos para matar e como agiu.

Não foi uma das melhores leituras que fiz da dama. Achei a narrativa arrastada, sem muitos acontecimentos que prendesse a atenção e quando Miss Marple vai falar sobre o crime, acaba o livro. Nem deu tempo de sentir o gostinho.
Porém, é um dos motivos mais chocantes que li até hoje nos livros dela, um crime psicológico com um final bem triste.
Ainda que arrastado à princípio, é um livro que vale a pena ser lido e apesar de ter desconfiado d@ culpado@, nem sonharia sobre suas motivações.
Agatha é incrível! Nunca deixa de nos surpreender!

01 abril 2018

Não Durma - Michelle Harrison


Quando os mortos não dormem, os vivos têm medo de adormecer... 

Elliott, um garoto de 17 anos, não dorme bem desde o acidente que quase o matou. Às vezes, ele fica em um estágio meio adormecido, meio acordado e se vê cercado por silhuetas em movimento. Em outras, é ele quem se move, enquanto seu corpo permanece inerte na cama. Médicos dizem que a paralisia do sono e as experiências extracorpóreas são inofensivas - mas, para Elliott, elas são assustadoras.

Determinado a descobrir o que está acontecendo, ele consegue um emprego em um museu conhecido por ser mal-assombrado. É onde conhece a enigmática Ophelia. À medida que os dois ficam mais próximos, Elliott se torna o foco de ainda mais atenção dos mortos. Certa noite, ao retornar de uma experiência extracorpórea, ele não encontra o próprio corpo. Alguma coisa está o ocupando, algo morto que quer viver de novo - e quer Ophelia também...

RESENHA:
31/03/2018

Elliot é um jovem de 17 anos saudável e com uma rotina semelhante à qualquer outro de sua idade. Porém, após sofrer um acidente grave, ele viverá uma experiência terrível que vai mudar completamente sua vida.
O jovem vai desenvolver a paralisia do sono, um estado de semiconsciência em que preso no corpo, consegue ver espíritos à sua volta.
Devido à essa sensibilidade, ele é atormentado pela presença de uma jovem que se matou no apartamento onde ele vive com o pai e ela só aparece quando ele adormece.
Dividido entre o pânico e a vontade de saber mais sobre sua condição, ele consegue um emprego como guia num lugar mal assombrado. Mal sabe ele que isso irá desencadear uma séries de manifestações que colocarão sua vida em risco.

A narrativa é sob o ponto de vista do Elliot que vai contar detalhadamente sua rotina, suas descobertas, experiências e sua aproximação com a jovem Ophelia.
Eu adorei esse livro, é bem diferente do que estou acostumada a ler, geralmente prefiro assistir filmes desse gênero, mas a narrativa é contagiante e é praticamente impossível abandonar a leitura.
Os passeios pelo parque narrado em primeira pessoa, dão mais veracidade às cenas e deixa o leitor mais próximo das experiências vividas pelo personagem.
Elliot vai sofrer muito em silêncio, até por que vai ser muito difícil encontrar alguém que acredite nele.
A estória é um pouco assustadora, não considero um terror, mas prende sua atenção logo nas primeiras linhas pois a trama é muito envolvente. Elliot faz com que a gente sinta na pele o terror vivido por ele e acabe torcendo e ansiando por mais descobertas.

E o bacana dessa estória é que a autora se baseou em experiências reais vividas por um parente para criar a história do jovem Elliot. Claro que ela adaptou as situações para dar vida ao personagem, mas são eventos que acontecem de verdade.
Enfim, é uma leitura que recomendo demais para os amantes do gênero. Uma pena que não é tão divulgado assim.
Boa leitura!

26 março 2018

A Mulher Na Janela - A.J. Finn


Anna Fox mora sozinha na bela casa que um dia abrigou sua família feliz. Separada do marido e da filha e sofrendo de uma fobia que a mantém reclusa, ela passa os dias bebendo (muito) vinho, assistindo a filmes antigos, conversando com estranhos na internet e... espionando os vizinhos. Quando os Russells – pai, mãe e o filho adolescente – se mudam para a casa do outro lado do parque, Anna fica obcecada por aquela família perfeita. Até que certa noite, bisbilhotando através de sua câmera, ela vê na casa deles algo que a deixa aterrorizada e faz seu mundo – e seus segredos chocantes – começar a ruir. Mas será que o que testemunhou aconteceu mesmo? O que é realidade? O que é imaginação? Existe realmente alguém em perigo? E quem está no controle? Neste thriller diabolicamente viciante, ninguém – e nada – é o que parece. "A Mulher Na Janela" é um suspense psicológico engenhoso e comovente que remete ao melhor de Hitchcock.


RESENHA:
26/03/2018

A mulher na janela é o primeiro livro do autor A.J. Finn, crítico literário, e já está sendo adaptado para o cinema pela 20th Century Fox.

A princípio a trama nos faz lembrar de A Garota no trem devido algumas semelhanças mas logo as estórias tomam rumos bem diferentes.
A protagonista Anna é viciada em vinho e o ingere junto com uma quantidade absurda de remédios. Ela sofre de Agorafobia – pavor de lugares abertos –  e portanto ela vive trancada dentro de casa. Tudo que ela precisa para viver, desde alimentos, álcool e comprimidos é entregue à domicílio.
Essa fobia se desenvolveu após uma tragédia e ela vive reclusa há quase um ano e isso será apresentado aos poucos ao leitor.
Ela ainda têm contato com algumas pessoas por telefone e recebe visitas semanais da sua fisioterapeuta e do seu terapeuta. Além disso, participa regularmente de um chat com pessoas que sofrem de fobias, prestando aconselhamentos. Ela é psicóloga de crianças mas devido aos problemas não tem atuado mais.
Porém, seu passatempo favorito é bisbilhotar a vida dos seus vizinhos até onde o zoom da sua câmera alcança. Ela passa um bom tempo em frente à janela acompanhando a rotina deles e por causa desse hábito ela vai presenciar um crime.
Acontece que quando ela conta para a polícia o que viu, ela não será levada a sério. Devido ao seu histórico e a fama que ela tem no bairro por nunca sair de casa, ninguém vai acreditar nela.
Ao mesmo tempo em que ela se questiona, ela tem certeza de que não foi uma alucinação. Ela não acredita que sua mente esteja lhe pregando peças, mesmo consciente da quantidade de comprimidos que ela consome.
Quase na metade do livro o autor coloca todos os personagens, inclusive Anna, sob uma nova perspectiva que muda o rumo da trama.

Toda a narrativa é em primeira pessoa através dos olhos da Anna então tudo que a gente descobre lendo é sob a perspectiva somente dela! 
Até que ponto podemos confiar no que ela vê? Uma mulher sozinha que passa o tempo bebendo e consumindo remédios controlados ou em frente à janela ou em frente à TV assistindo filmes sobre crimes, é mesmo confiável?

Eu adorei a escrita do autor. Ele aborda temas profundos com propriedade e essa condição da protagonista é muito triste, a sensação de vazio dela é algo palpável.
Só não virou um dos favoritos do gênero por quê saquei logo de cara os segredos da trama.
As revelações que o autor fez não me surpreenderam pois já tinha certeza que era aquilo. Teve duas mais impactantes sendo uma delas o final.
Acredito que seja o excesso de livros que leio do gênero que me fez ficar com as antenas mais ligadas e quando foquei naquele fato, tudo que o personagem fazia eu prestava atenção dobrada e cada vez mais eu tinha certeza daquilo.
Mas nem por isso diminuiu meu interesse pela estória. Achei o livro incrível, prende atenção do começo ao fim e você não vê a hora de chegar ao final dele pra saber como tudo aquilo será resolvido.
Já estou bem ansiosa pelo filme e pelos próximo livros desse autor, espero que não demore muito :-)
Recomendadíssimo!
5 estrelas pra ele!

20 março 2018

Um Sedutor Sem Coração - Lisa Kleypas - Os Ravenels # 1


Devon Ravenel, o libertino mais maliciosamente charmoso de Londres, acabou de herdar um condado. Só que a nova posição de poder traz muitas responsabilidades indesejadas – e algumas surpresas.

A propriedade está afundada em dívidas e as três inocentes irmãs mais novas do antigo conde ainda estão ocupando a casa. Junto com elas vive Kathleen, a bela e jovem viúva, dona de uma inteligência e uma determinação que só se comparam às do próprio Devon.

Assim que o conhece, Kathleen percebe que não deve confiar em um cafajeste como ele. Mas a ardente atração que logo nasce entre os dois é impossível de negar.

Ao perceber que está sucumbindo à sedução habilmente orquestrada por Devon, ela se vê diante de um dilema: será que deve entregar o coração ao homem mais perigoso que já conheceu?

Um sedutor sem coração inaugura a coleção Os Ravenels com uma narrativa elegante, romântica e voluptuosa que fará você prender o fôlego até o final.

RESENHA:
20/03/2018

Mais uma série de época delicinha, assim fica difícil resistir!

Com a morte de Theo, Devon Ravenel o primo e sucessor recebe de herança o título de conde, um condado falido, 3 primas solteiras que ainda não foram apresentadas à sociedade e de quebra uma viúva que vai abalar seu psicológico.
Assim que Devon chega na propriedade dos Ravenels e vê o lugar basicamente em ruínas, seu primeiro impulso é vender tudo pois junto com o título vêm uma enorme dívida. Mas tão logo conhece as primas e Kath – a viúva – ele se vê na obrigação de cuidar delas e prover seu sustento.
E pra isso ele vai contar com a ajuda do irmão mais novo, West, que vai ter que abandonar a rotina diária de bebidas e assumir responsabilidades. Foi ótimo ver como ele se regenerou durante a leitura, recuperando até mesmo a beleza que ele havia perdido por conta do álcool.

Devon não se mostrou tão libertino quanto pensei, em compensação Kathleen se tornou uma personagem chata e cansativa com o passar dos capítulos. Nada que tenha sido difícil de suportar, mas no início a tensão entre os protagonistas proporcionavam cenas mais divertidas e a leitura até fluiu mais rápido, no entanto com o passar do tempo e quanto mais intimidades ela tinha com Devon mais difícil ela se tornava, ficando parecida com aquelas tiazonas sexagenárias.

Uma coisa que gosto demais nesses romances de época é quando os personagens – principalmente os masculinos – tenham alguma ocupação que não seja marcar presença em bailes e clubes ou mesmo correr atrás das mocinhas.
Gosto quando eles trabalham, quando sua função não seja depender de título. Acho que isso me fez ficar tão fã dos Hathaways, uma família que era engajada e sempre lutou para manter os bens e a união entre eles.
Aqui vemos Devon e seu irmão fazendo de tudo para recuperar o principado e manter os arrendatários, muitas vezes tendo que tomar atitudes mais difíceis. Nessas horas a protagonista mais me irritava, pois batia de frente com ele mas não se colocava no seu lugar.
Essas situações ajudaram para que a leitura não ficasse enfadonha como acontece em alguns livros onde o mocinho não tem mais nada a fazer na vida do que ficar atrás da protagonista.

No geral foi uma leitura gostosa, sem grandes novidades. São situações e comportamentos típicos do gênero e com um finalzinho que te deixa bem ansiosa pelo próximo. 
Estou na expectativa pelo romance da Helen com o Winterborne, tem ingredientes para ser melhor ainda que o primeiro.
Não chega a ser um Hathaway mas pra mim esse já foi bem melhor que o primeiro da série "As quatro estações do amor".
Recomendo? Claro :-)

14 março 2018

Você - Caroline Kepnes


Bestseller do The New York Times, o romance de estreia de Caroline Kepnes ganhou elogios de escritores do calibre de Stephen King e Sophie Hannah, além de resenhas estreladas, e deu origem a uma série de TV homônima que estreia neste primeiro semestre nos EUA. Não é para menos. Hipnótico, assustador, brilhante são alguns dos adjetivos usados para descrever este thriller sobre um amor obsessivo e suas perigosas consequências.
A trama tem início quando Guinevere Beck, que deseja ser escritora, entra na livraria do East Village onde Joe Goldberg trabalha. Bonita, inteligente e sexy, Beck ainda não sabe, mas é a mulher perfeita para Joe, que, a partir do nome impresso no cartão de crédito de sua cliente, passa a vasculhar sua vida na internet e a orquestrar uma série de eventos para garantir que ela caia em seus braços, fazendo com que tudo pareça obra do acaso. À medida que o romance entre os dois engrena, porém, o leitor descobre que Beck também guarda certos segredos e os desdobramentos desse relacionamento mutuamente obsessivo podem ser mortais.

RESENHA:
14/03/2018

O que me fez antecipar essa leitura foi justamente o fato dela virar uma série e eu como boa viciada que sou, precisei ler o livro antes de assistir.

Através da narrativa em primeira pessoa de Joe, vamos acompanhar a estória da obsessão dele por Beck e seus pensamentos mais doentios. 
Apesar de ser uma narrativa sem muitas reviravoltas não se torna cansativa, mesmo se desenvolvendo de forma mais lenta já que o personagem ainda precisa se aproximar da sua vítima. 
Joe é paciente, demais. Ele espera sempre o momento certo de agir, mesmo que por dentro ele esteja fervilhando de ódio e ansiedade.
Ele é completamento louco e obstinado. Uma combinação terrível para quem ousar se meter em seu caminho e atrapalhar seus objetivos e é capaz de qualquer coisa para ter Beck só pra si.
Seu linguajar na narrativa é chulo e vulgar e isso chegou me incomodar algumas vezes (é mais uma opinião particular minha).
Possui duas personalidades bem distintas: Na frente das pessoas é o bom moço, o namorado perfeito, mas sozinho com seus pensamentos é um doente perigoso.

Beck não é uma personagem que me despertou sentimentos de empatia. É mimada, vazia, fútil e sem personalidade nenhuma.
Da mesma maneira que Joe usa de artifícios para se aproximar dela, ela usa Joe de acordo com suas vontades. 

A trama é bem interessante e prende a atenção do leitor, porém acho que autora deveria ter explorado mais a tensão psicológica, sendo que muitas vezes ficou mais na expectativa, mais no dia a dia dos personagens.
Também um ponto negativo é que Joe agia sem muito planejamento e nem assim deixava pistas de seus atos, saindo ileso das situações. Quem lê bastante livros desse gênero sabe que não é bem assim que as coisas funcionam.
O final foi totalmente sem surpresas, aliás era exatamente aquilo que eu esperava que acontecesse. A autora meio que deu pistas óbvias que seria daquele jeito.
Foi uma boa leitura, nada surpreendente, mas acredito que a autora tenha potencial para criar outras estórias e tenho bastante interesse em acompanhar.

Nota: 3,5 ★

01 março 2018

O Mistério de Sittaford - Agatha Christie


Na remota localidade de Sittaford, prestes a ser assolada por uma poderosa tempestade de neve, um grupo de vizinhos reunidos na imponente mansão que dá nome ao lugar resolve se entregar a um passatempo excitante e aparentemente inofensivo: uma sessão espírita improvisada. O que deveria ser uma distração sem maiores consequências assume tons sombrios quando a mesa dos espíritos soletra o nome de um conhecido de todos os presentes, seguido da palavra assassinado. Trote de mau gosto ou um aviso sobrenatural? Em mais um de seus engenhosos romances, Agatha Christie surpreende os leitores com a narrativa misteriosa de um crime que teoricamente não poderia ser cometido.

RESENHA:
28/02/2018

Esse livro está há muito tempo parado na minha estante e por conter poucas páginas (219), coloquei na minha meta de fevereiro.
Não foi uma das minhas melhores leituras do gênero, achei que iria gostar mais da estória pois a premissa é bem interessante, mas o fato é que achei a narrativa parada e sem grandes emoções.
Algumas situações narradas me passou a impressão de que estavam ali para cumprir o papel de confundir e por isso não levei muito a sério e não me surpreendi.
Acho que o que desanimou foi perceber a falta que Poirot ou Miss Marple fazem nessas estórias, pois eles plantam ideias e dúvidas na nossa imaginação enquanto fazem perguntas. Apesar de ser um caso do Inspetor Narracott ele pouco participou, deixando as grandes descobertas para Emily que se mostrou muito mais esperta que a polícia.
Um ponto positivo é o final, como sempre muito bem desenvolvido pela autora e apesar de ser bem rápido e não descritivo como os finais do Poirot, foi bem explicado.
Li duas versões, essa e a nova da LPM para ver se tinha diferença mas não.
Ainda que não tenha sido uma das melhores leituras, está longe de ser dispensável. Agatha é sempre uma ótima pedida.

26 fevereiro 2018

A Caminho do Altar - Julia Quinn - Os Bridgertons # 8


Ao contrário da maioria de seus amigos, Gregory Bridgerton sempre acreditou no amor. Não podia ser diferente: seus pais se adoravam e seus sete irmãos se casaram apaixonados. Por isso, o jovem tem certeza de que também encontrará a mulher que foi feita para ele e que a reconhecerá assim que a vir. E é exatamente isso que acontece.

O problema é que Hermione Watson está encantada por outro homem e não lhe dá a menor atenção. Para sorte de Gregory, porém, Lucinda Abernathy considera o pretendente da melhor amiga um péssimo partido e se oferece para ajudar o romântico Bridgerton a conquistá-la.

Mas tudo começa a mudar quando quem se apaixona por ele é Lucy, que já foi prometida pelo tio a um homem que mal conhece. Agora, será que Gregory perceberá a tempo que ela, com seu humor inteligente e seu sorriso luminoso, é a mulher ideal para ele?

A caminho do altar, oitavo livro da série Os Bridgertons, é uma história sobre encontros, desencontros e esperança no amor. De forma leve e revigorante, Julia Quinn nos mostra que tudo o que imaginamos sobre paixão à primeira vista é verdade – só precisamos saber onde buscá-la.

RESENHA:
26/02/2018

Um enredo bem decepcionante!
Fiquei triste em finalizar a série do Bridgertons, uma das famílias mais queridinhas das leitoras de romances de época, mas mais ainda por não ter curtido essa estória.

O enredo foi fraco demais, os personagens não me convenceram de nenhuma maneira.
Gregory é um garotão que ainda tinha muito que amadurecer para chegar no nível Anthony ou Simon, e  Lucy é apagada demais, sem sal nem açúcar. Ambos parecem não ter objetivos nenhum na vida e enquanto Gregory se apaixona por nucas (aff sem comentários), Lucy é submissa e aceita tudo que acontece.
Faltou tudo nesse livro, o romance é bem fraquinho e só acontece no final do livro e os diálogos são enfadonhos e repetitivos.
Até metade do livro o mais novo dos Bridgertons está convencido que ama a amiga da mocinha mas depois de tomar um toco se vê apaixonado por ela.... não convence!
Quem fica completamente apaixonado por alguém só de olhar a nuca?
Parece aquelas estórias onde só sobraram dois personagens e a autora tenta a todo custo juntá-los.
Depois do livro todo ter sido uma verdadeira enrolação, teve uma agitação no final que nem assim salvou a estória. Eu não consegui ver química nenhuma entre eles, mas dariam sim grandes amigos.
Enfim, essa é minha opinião e sei que todo mundo gostou, mas infelizmente a leitura não funcionou pra mim.

P.S.: Ainda sonho com a estória da Violet :-)