20 de setembro de 2016

Tragédia em três atos - Agatha Christie


Na bucólica casa de praia do famoso ator Sir Charles Cartwright, um jantar entre amigos toma um rumo surpreendente. Entre os convidados, um homenzinho de bigode e olhar perspicaz chamado Hercule Poirot...
A possibilidade de um assassinato paira no ar e assusta os demais convivas – entre os quais, o sr. Satterthwaite, amigo de longa data que convencerá o detetive belga a embarcar em uma investigação minuciosa. Poirot precisará usar toda a sua habilidade para desvendar o mais desconcertante mistério envolvendo um crime: a falta de um motivo.

"É quase impossível adivinhar o final antes de Hercule Poirot fazer a grande revelação” - The Times Literary Supplement

Resenha:
20/09/2016

Leitura incrível!
Confesso que no começo foi difícil. Os nomes são complicados e alguns até meio parecidos, então foi difícil de lembrar e entender quem é que estava falando com quem. Acabei por fazer uma lista com os nomes - e suas profissões - e usei como marcador de página.
Assim que você se familiariza com os personagens a estória fica mais tranquila e mais fácil de ser compreendida.
Ele só não entrou para os meus favoritos dela por que Poirot aparece só depois da metade do livro, só por isso.
O livro tem 255 páginas e é dividido em três atos: Primeiro Ato: Suspeita, Segundo Ato: Certeza, Terceiro Ato: Descoberta.
Poirot aparece no terceiro ato, e apesar dele ter aparecido logo no começo da estória e estar presente no primeiro crime, ele não faz parte das investigações que ficaram por conta de outros 3 personagens e isso me deixou um pouco insatisfeita. 
Mesmo assim a estória é excelente e te prende demais. Mais uma vez mostra a genialidade do detetive e sua incrível capacidade de raciocínio.

Acompanhando as investigações com um excesso de atenção, já percebi quem era o(a) assassino(a) logo no começo.
Nada me tirava da cabeça que era essa pessoa e exatamente por isso prestei muito mais atenção ao comportamento dela. Fiquei deliciada em saber que estava certa.
Mas lógico que nem suspeitei do motivo, sem chance! E isso torna tudo mais divertido e curioso por que nas últimas páginas você devora cada palavra, o momento em que Poirot faz seu show e apresenta à todos a pessoa culpada e seus motivos, é o ápice da leitura.
Nos livros da Agatha eu sempre desconfio de absolutamente todo mundo, mas nesse eu descartei pelo menos uns 4 personagens. Não conseguia encaixá-los na estória cometendo um crime.
A falta de motivo, a falta de provas e nenhuma suspeita de como os crimes foram cometidos foi um dos livros mais difíceis dela que já li.
Super recomendo essa leitura muito envolvente e bem tramada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário