17 de outubro de 2017

O Voo da Libélula - Michel Bussi


Na noite de 23 de dezembro de 1980, um avião cai na fronteira entre a França e a Suíça, deixando apenas uma sobrevivente: uma bebê de 3 meses. Porém, havia duas meninas no voo, e cria-se o embate entre duas famílias, uma rica e uma pobre, pelo reconhecimento da paternidade.

Numa época em que não existiam exames de DNA, o julgamento estende-se por muito tempo, mobilizando todo o país. Seria a menina Lyse-Rose ou Émilie? Mesmo após o veredicto do tribunal, ainda pairam muitas dúvidas sobre o caso, e uma das famílias resolve contratar Crédule Grand-Duc, um detetive particular, para descobrir a verdade.

Dezoito anos depois, destroçado pelo fracasso e no limite entre a loucura e a lucidez, Grand-Duc envia o diário das investigações para a sobrevivente Lylie e decide tirar a própria vida. No momento em que vai puxar o gatilho, o detetive descobre um segredo que muda tudo. Porém, antes que possa revelar a solução do caso, ele é assassinado.

Após ler o diário, Lylie fica transtornada e desaparece, deixando o caderno com seu irmão, que precisará usar toda a sua inteligência para resolver um mistério cheio de camadas e reviravoltas.

Em O voo da libélula, o leitor é guiado pela escrita do detetive enquanto acompanha a angustiada busca de uma garota por sua identidade.

RESENHA:
17/10/2017

Michel Bussi tem se tornado um dos queridinhos justamente por criar tramas criativas e finais surpreendentes. Assim como Ninfeias Negras, O Voo da Libélula foi uma excelente e agradável leitura.
A estória se desenrola com mais lentidão - ainda menos que Ninfeias - mas nem por isso cansativa. 
O autor cria toda uma expectativa durante a leitura. Ele enrola o leitor, coloca pistas, revela algumas surpresas, mas deixa tudo pro final.
Pulando o blá blá blá inicial, - que você pode ler na própria sinopse do livro - aqui teremos Mark como o protagonista principal. Ele vai receber através de Lylie (que seria Lyse ou Emilie) o diário do investigador que trabalhou por 18 anos para uma das famílias, e será através da narrativa dele que saberemos os resultados da investigação.

Lylie vai sumir sem deixar rastros deixando Mark desesperado. Então ele sai à procura dela e entre um trem e outro começa a ler as anotações do detetive e se inteirar de tudo, aflito para saber o que foi que ela descobriu na leitura que a fez querer sumir. A cada descoberta, muitas situações irão mudar e algumas revelações levarão o leitor a imaginar um outro desfecho.
A partir da segunda metade do livro, o ritmo da narrativa acelera e a ansiedade pela descoberta faz com que devoremos o livro. 
Ainda que a trama não seja sobre "quem matou quem"e sim sobre quem é família da criança, vai acontecer alguns crimes durante a estória, deixando tudo ainda mais instigante.
A descoberta final do detetive foi o que mais me deixou ansiosa no livro. Eu queria logo chegar ao final pra saber o que foi que ele viu nos últimos momentos. 
É uma leitura que brinca com a sua imaginação.

Os personagens são rasos, o autor não se aprofunda muito, bem como no relacionamento entre eles. Achei bem superficial. 
Gostei de Mark da mesma maneira que desgostei de Malvina, uma personagem dura de aturar.
O relacionamento de Mark com Lylie me incomodou um pouco, algumas situações foram difíceis de compreender.
Quanto à qual família a garota pertence, depois da metade do livro não foi difícil prever aquele desfecho e já o tinha como certo, porém as outras surpresas que autor reservou para o final foram mesmo surpreendentes.
Eu gostei muito da leitura, é um livro com um tema diferente que manteve o suspense até as últimas páginas, ainda que tenha se arrastado por um tempo.

Nota: 4,5 ★

Nenhum comentário:

Postar um comentário