14 de março de 2018

Você - Caroline Kepnes


Bestseller do The New York Times, o romance de estreia de Caroline Kepnes ganhou elogios de escritores do calibre de Stephen King e Sophie Hannah, além de resenhas estreladas, e deu origem a uma série de TV homônima que estreia neste primeiro semestre nos EUA. Não é para menos. Hipnótico, assustador, brilhante são alguns dos adjetivos usados para descrever este thriller sobre um amor obsessivo e suas perigosas consequências.
A trama tem início quando Guinevere Beck, que deseja ser escritora, entra na livraria do East Village onde Joe Goldberg trabalha. Bonita, inteligente e sexy, Beck ainda não sabe, mas é a mulher perfeita para Joe, que, a partir do nome impresso no cartão de crédito de sua cliente, passa a vasculhar sua vida na internet e a orquestrar uma série de eventos para garantir que ela caia em seus braços, fazendo com que tudo pareça obra do acaso. À medida que o romance entre os dois engrena, porém, o leitor descobre que Beck também guarda certos segredos e os desdobramentos desse relacionamento mutuamente obsessivo podem ser mortais.

RESENHA:
14/03/2018

O que me fez antecipar essa leitura foi justamente o fato dela virar uma série e eu como boa viciada que sou, precisei ler o livro antes de assistir.

Através da narrativa em primeira pessoa de Joe, vamos acompanhar a estória da obsessão dele por Beck e seus pensamentos mais doentios. 
Apesar de ser uma narrativa sem muitas reviravoltas não se torna cansativa, mesmo se desenvolvendo de forma mais lenta já que o personagem ainda precisa se aproximar da sua vítima. 
Joe é paciente, demais. Ele espera sempre o momento certo de agir, mesmo que por dentro ele esteja fervilhando de ódio e ansiedade.
Ele é completamento louco e obstinado. Uma combinação terrível para quem ousar se meter em seu caminho e atrapalhar seus objetivos e é capaz de qualquer coisa para ter Beck só pra si.
Seu linguajar na narrativa é chulo e vulgar e isso chegou me incomodar algumas vezes (é mais uma opinião particular minha).
Possui duas personalidades bem distintas: Na frente das pessoas é o bom moço, o namorado perfeito, mas sozinho com seus pensamentos é um doente perigoso.

Beck não é uma personagem que me despertou sentimentos de empatia. É mimada, vazia, fútil e sem personalidade nenhuma.
Da mesma maneira que Joe usa de artifícios para se aproximar dela, ela usa Joe de acordo com suas vontades. 

A trama é bem interessante e prende a atenção do leitor, porém acho que autora deveria ter explorado mais a tensão psicológica, sendo que muitas vezes ficou mais na expectativa, mais no dia a dia dos personagens.
Também um ponto negativo é que Joe agia sem muito planejamento e nem assim deixava pistas de seus atos, saindo ileso das situações. Quem lê bastante livros desse gênero sabe que não é bem assim que as coisas funcionam.
O final foi totalmente sem surpresas, aliás era exatamente aquilo que eu esperava que acontecesse. A autora meio que deu pistas óbvias que seria daquele jeito.
Foi uma boa leitura, nada surpreendente, mas acredito que a autora tenha potencial para criar outras estórias e tenho bastante interesse em acompanhar.

Nota: 3,5 ★

2 comentários:

  1. Eu achei essa leitura bem arrastada... Também achei a linguagem bem vulgar, não tive uma boa experiência, espero que a série seja melhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo Thuanne!
      Também estou ansiosa pela série que logo chega :-)

      Excluir