31 de agosto de 2015

Lugares Escuros - Gillian Flynn


Libby Day tinha apenas sete anos quando testemunhou o brutal assassinato da mãe e das duas irmãs na fazenda da família. O acusado do crime foi seu irmão mais velho, que acabou condenado à prisão perpétua.
Desde aquele dia, Libby passou a viver sem rumo. Uma vida paralisada no tempo, sem amigos, família ou trabalho. Mas, vinte e quatro anos depois, quando é procurada por um grupo de pessoas convencidas da inocência de seu irmão, Libby começa a se fazer as perguntas que até então nunca ousara formular. Será que a voz que ouviu naquela noite era mesmo a do irmão? Ben era considerado um desajustado na pequena cidade em que viviam, mas ele seria mesmo capaz de matar? Existiria algum segredo por trás daqueles assassinatos?
Gillian Flynn intercala a trajetória detetivesca de Libby com flashbacks dos acontecimentos do dia dos crimes com tanta habilidade que o leitor é levado a diferentes direções. Escrito com primor, Lugares escuros não só mostra como a memória é passível de falhas, mas também evidencia as mentiras que uma criança pode contar a si mesma para superar um trauma.

RESENHA:
31/08/2015

Libby é a única sobrevivente de um massacre que acabou com sua família: as 2 irmãs e a mãe. Como única sobrevivente, tbém é a única testemunha e seu depoimento leva o irmão à prisão.
Após mais de 20 anos, com seu dinheiro de doações no fim, ela precisa arrumar algo para fazer, mas não pensa em trabalho. Seu livro (que nem foi ela que escreveu) não deu quase nada de dinheiro, então ela tem que se virar de alguma maneira.
Quando ele é procurada por um rapaz que faz parte de um clube sobre assassinos e suas histórias ela aceita, a troco de dinheiro, falar sobre o que aconteceu quando era criança. Aí então, ela e esse rapaz começam a procurar pessoas e pistas do passado para saber o que aconteceu de verdade. Esse rapaz acredita que o irmão seja inocente e ela passa a pôr em dúvidas suas crenças até então.
É uma boa estória, aborda muitos assuntos pesados e te conduz à um final inesperado.


Nenhum comentário:

Postar um comentário