11 de setembro de 2017

Escuridão Total Sem Estrelas - Stephen King


Na ausência da luz, o mundo assume formas sombrias, distorcidas, tenebrosas. Em Escuridão total sem estrelas os crimes parecem inevitáveis; as punições, insuportáveis; as cumplicidades, misteriosas. 
Em 1922, o agricultor Wilfred e o filho, Hank, precisam decidir do que é mais fácil abrir mão: das terras da família ou da esposa e mãe. No conto Gigante do volante, após ser estuprada por um estranho e deixada à beira da morte, Tess, uma autora de livros de mistério, elabora uma vingança que vai deixá-la cara a cara com um lado desconhecido de si mesma. Já em Extensão justa, Dave Streeter tem um câncer terminal e faz um pacto com um estranho vendedor. Mas será que para salvar a própria vida vale a pena destruir a de outra pessoa? E, em Um bom casamento, uma caixa na garagem pode dizer mais a Darcy Anderson sobre seu marido do que os vinte anos que eles passaram juntos.
Os personagens dos quatro contos de Stephen King passam por momentos de escuridão total, quando não existe nada — bom senso, piedade, justiça ou estrelas — para guiá-los. Suas histórias representam o modo como lidamos com o mundo e como o mundo lida conosco. São narrativas fortes e, cada uma a seu modo, profundamente chocantes.
RESENHA:
11/09/2017

Quatro contos de suspense misturados com terror psicológico que vão tirar o sono de qualquer leitor.
1922 conta a estória de Wilfred que, conduzido pela ganância, vai planejar se livrar da esposa que possui a maior parte das terras da fazenda. Ela deseja vendê-la e se mudar para a cidade, mas o marido não compartilha do mesmo sonho. 
Se somente a parte dela for vendida, os futuros compradores irão instalar um matadouro de porcos que irá poluir todo o lago da fazenda que faz parte das terras da esposa e isso é inaceitável para Wil.
Ele vai convencer o filho de apenas 14 anos que a melhor maneira de se livrarem dos problemas é eliminando a mãe.
Eu fiquei chocada com a essa estória! 
Extremamente bem escrita e descrita, à partir do momento que você começa a ler não consegue mais parar e fica aquela ansiedade de saber como tudo aquilo vai terminar.
O nível de maldade aqui é bem alto, mas o autor consegue te deixar preso na estória como se ele estivesse sentado na sua frente te contando em detalhes o que aconteceu. Fiquei completamente envolvida pela narrativa.
Apesar de ser o conto mais chocante, foi o melhor dos quatro na minha opinião, ainda que todos sejam muito bons.
(Esse conto está sendo produzido pela Netflix e vai virar filme.)

O Gigante do volante é o segundo conto, igualmente tenso e apesar de ser um pouco menos intenso que o primeiro, ainda assim é chocante. 
Vai tratar de um outro tipo de maldade, do ser humano guiado pelas suas vontades acima de qualquer coisa, tomando aquilo que deseja à força, incapaz de sentir o menor pingo de piedade ou remorso. 
Esse conto se trata de vingança. A escritora Tess é brutalmente estuprada quando volta pra casa após um encontro com os fãs de seus livros.
Decidida à não procurar a polícia por vários motivos, entre eles vergonha e medo do julgamento das pessoas, ela decide descobrir a identidade de seu agressor e fazer justiça com as próprias mãos.
Apesar das dores físicas e emocionais, Tess vai se preparar para esse encontro, vai abandonar seu medo e ir até o final na sua vingança. 
Eu me peguei torcendo demais por ela e fiquei muito apreensiva com o final que ela teria na estória, independente se ela teria êxito ou não.
(Esse conto virou filme (Big Driver - 2014). Assisti e gostei bastante, achei bem fiel ao livro.)

Extensão justa foi o que menos gostei. Esse conto trata-se da inveja, pura e simples e o que a pessoa é capaz de fazer para ter o que deseja.
Dave tem câncer em fase terminal e ao pegar a estrada num dia qualquer, encontra um vendedor um tanto peculiar. Ele vende 'extensões', realiza desejos a troco de dinheiro e algo a mais: Se ele curar a doença de Dave a mesma deve passar para outra pessoa, afinal é o equilíbrio da vida, porém Dave deve escolher quem irá receber o desagradável 'presente'.
Ele a princípio não acredita em nada daquilo, mas como não tem mais nada a perder, entra no jogo do estranho homem e com o passar dos dias ele realmente começa a levar a sério.
De piedade passei a sentir raiva do personagem. Sua falta de piedade ou remorso é intragável.
O final deixou a desejar pra mim, mas ainda assim vale a leitura.

E por fim, Um bom casamento vai nos contar a estória de um casal já beirando os 50 anos que vive uma vida aparentemente perfeita. Até que um dia a esposa entra na garagem à procura de pilhas e encontra uma caixinha que pertence ao marido.
O que ela vai encontrar dentro dessa caixa e como ela vai se comportar à partir desse momento vai deixar o leitor completamente envolvido até o seu desfecho final.
(Também virou filme (A Good Marriage - 2014), outro que também gostei e recomendo)


O livro mostra o pior do ser humano, o lado mais sombrio, mais vingativo, mais mesquinho. Inveja, ódio, ganância e vingança são alguns dos sentimentos abordados nesses contos, com uma narrativa tensa, mas rápida e absolutamente viciante.
Stephen King prende o leitor do início ao fim, com apenas uma pausa para respirar entre um conto e outro.
E no final o autor fala sobre a escrita e de onde surgiram as ideias para escrever essas estórias.

Recomendo! Prepare-se para ficar apreensivo e angustiado. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário